União Divina





Capítulo 2.     Adultério Exige Pena de Morte
6

Adultério Exige Pena de Morte

    Uma segunda lei cerimonial relativa ao casamento é encontrada no Deuteronômio 22:22:
“Quando um homem for achado deitado com mulher casada com marido, então ambos morrerão, o homem que se deitou com a mulher, e a mulher. Assim tirarás o mal de Israel.”
    Esta lei exige pena de morte para um homem ou mulher que for descoberto em um relacionamento adúltero. Julgamento dramático destes que cometem adultério era a aplicação literal desta lei.
    O significado espiritual ou a aplicação evangélica deste preceito é encontrada no Novo Testamento, onde esta lei aponta para um casamento espiritual completo. Este casamento é revelado em Romanos 7:1-4:
“Paulo, servo de Jesus Cristo, chamado para apóstolo, separado para o evangelho de Deus, o qual antes havia prometido pelos seus profetas nas Santas Escrituras, acerca de seu Filho, que nasceu da descendência de Davi, segundo a carne, declarado Filho de Deus em poder, segundo o Espírito de santificação, pela ressurreição dos mortos – Jesus Cristo Nosso Senhor.”
    Num sentido espiritual todos na raça humana estão automaticamente casados com a lei de Deus. Este casamento não é resultado do desejo do homem. É um casamento em que Deus uniu duas partes em uma união indissolúvel. Estas duas partes são, de um lado, os seres humanos e do outro a lei de Deus. Por Deus ter unido estes dois, nenhum homem pode romper a união. Não importa o quanto desejemos nos ver livres de nossa união espiritual com a lei de Deus, nós não podemos ser libertados disso.
    Isto é um casamento entre um marido perfeito e uma esposa muito imperfeita. O marido, na lei de Deus, é absolutamente irrepreensível. A esposa contudo, é a raça humana, e é completamente adúltera. Nós sabemos que a lei de Deus é o marido porque Romanos 7:1 declara que a lei tem domínio sobre o homem. Em qualquer casamento, o marido é a cabeça da esposa e a esposa deve ser submissa ao marido.
    Portanto, neste casamento espiritual, nós humanos devemos nos submeter obedientemente à lei de Deus, que é nosso marido espiritual. A todo momento nos submetemos a um pecado que nos faz cair no adultério espiritual. Estamos sendo infiéis ao nosso marido espiritual, a lei de Deus.
    A lei de Deus, como marido, não pode se divorciar da esposa adúltera porque o que Deus uniu o homem não separa. Deus encara este princípio tão

Capítulo 2.     Adultério Exige Pena de Morte
7

seriamente que mesmo um marido perfeito, a lei de Deus, não pode se separar da esposa adúltera (cada humano) com a qual está casado.
    O adultério espiritual é visto em Tiago 4:4: “Adúlteros e adulteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus.” No versículo, Deus está falando claramente da natureza adúltera dos homens. Homens são adúlteros e mulheres são adúlteras porque eles vivem em fornicação espiritual no relacionamento com a lei de Deus, com a qual são casados. Jesus faz referência à condição adúltera da raça humana em Marcos 8:38:
“Porquanto, qualquer que, entre esta geração adúltera e pecadora, se envergonhar de mim e das minhas palavras, também o Filho do homem se envergonhará dele, quando vier na glória de seu Pai, com os santos anjos.”
    A adúltera e pecadora geração de que Ele fala todo o tempo inclui a raça humana.
    O reino de Satã, para onde vão todos os que não foram salvos, é descrito como a grande prostituta em Apocalipse 17. Devido á natureza pecadora do homem, ele está vivendo adulteramente como uma meretriz. Cada ato de pecado é um ato de adultério espiritual.
    Contudo, ainda que a lei de Deus, como marido, não possa divorciar-se da esposa fornicadora, a raça humana, há um modo deste terrível casamento ser desfeito. Por causa da fornicação, a esposa merece morrer. Apenas se ela morrer este casamento pode chegar ao fim.
    Devido ao fato de o marido ser absolutamente justo e sagrado, ele (a lei de Deus) irá denunciar a esposa adúltera, exigindo sua morte. Esta é a morte que foi antecipada na lei cerimonial do Deuteronômio 22:22.

Apenas a danação eterna pode quebrar o casamento espiritual

    A história terrena exige que a esposa adúltera e o indivíduo com o qual ela cometeu adultério sejam apedrejados até a morte. O significado espiritual desta terrível punição é muito mais sério porque a morte exigida pelo marido dos homens, a lei de Deus, é a segunda morte, que é a danação eterna. Apenas depois que tivermos passado a eternidade no inferno o casamento entre a lei de Deus e cada ser humano pode ser quebrado.
    Quando um homem, uma mulher ou uma criança morrem fisicamente, esta morte não termina o casamento espiritual com a lei de Deus. No último dia, quando o indivíduo é ressuscitado, seu marido espiritual, a lei de Deus, irá acusá-lo de fornicação espiritual.
    Mesmo no inferno a lei de Deus está presente e exige penalidade completa, a eternidade no inferno. Como a eternidade é para sempre, não

Capítulo 2.     Adultério Exige Pena de Morte
8

haverá nunca um fim deste relacionamento. Deus nos dá o alerta na lei cerimonial do Deuteronômio 22:22.
    Desde que Cristo foi para a cruz, o aspecto terreno desta lei cerimonial não deve ser observado. Isto é mostrado pela reação de Jesus à mulher descoberta em adultério (João 8:1-11). De acordo com o Deuteronômio 22:22, ela deveria ser apedrejada, mas Jesus, que é o Deus eterno, anulou a ordem aconselhando a mulher a não mais pecar.

Apenas a morte pode terminar o casamento humano

    A palavra “ligado” em Romanos 7:2 é importante; ela é a palavra grega “deo”. Sua conotação é “acorrentado”. Por exemplo, em Marcos 5:3 ela é traduzida como “amarrado” como no verso 4. Marcos 5:3-4:
“O qual tinha a sua morada nos sepulcros, e nem ainda com cadeias o podia alguém prender. Porque, tendo sido muitas vezes preso com grilhões e cadeias, as cadeias foram feitas em pedaços, e os grilhões em migalhas, e ninguém o podia amansar.”
    Nos Atos 12:6 lemos que Pedro está na prisão, “preso com duas correntes”. A palavra “deo” é encontrada diversas vezes na Bíblia e é sempre usada no sentido de alguém que está acorrentado ou amarrado. Deus usa esta palavra para descrever o relacionamento da esposa com o marido. Isso pode ser visto em Romanos 7:2, e também em 1 Coríntios 7:39: “A mulher casada está ligada pela lei todo o tempo que o seu marido vive; mas, se falecer o seu marido, fica livre para casar com quem quiser, contanto que seja no Senhor.”
    Em 1 Coríntios 7:27 lemos: “Estás ligado à mulher? Não busques separar-te. Estás livre da mulher? Não busques mulher.” A esposa acorrentada ou amarrada pode romper o casamento apenas pela morte do marido, como Romanos 7:2-3 explica claramente. Ela está acorrentada a ele enquanto ele viver.

Como ficarmos livres de nosso casamento pela Lei de Deus

    A Bíblia tem um glorioso ensinamento que mostra como podemos acabar com a aplicação espiritual desta lei cerimonial. Em Romanos 7:4 Deus dá a forma de escapar:
“Assim, meus irmãos, também vós estais mortos para a lei pelo corpo de Cristo, para que sejais doutro, daquele que ressuscitou dentre os mortos, afim de que demos fruto para Deus.”
    O que significa “Morrer para a lei através do corpo de Cristo”? A morte exigida por nosso marido espiritual, a lei de Deus, é a danação eterna, e é precisamente a morte que Jesus sofreu quando tomou para Si nossos pecados.

Capítulo 2.     Adultério Exige Pena de Morte
9

Na reparação ele foi considerado culpado por nossos pecados e Deus demonstrou sua fúria através Dele como punição por estes pecados. Esta punição é igual a que nós sofreríamos se precisássemos passar a eternidade no inferno.
    Romanos 7:4 indica que Cristo levantou dos mortos como prova que a penalidade exigida por Deus foi completamente paga. Por Cristo, nosso substituto, ter sofrido o equivalente da danação eterna de cada cristão, cada cristão morreu para o marido anterior, a lei de Deus. Portanto, a lei de Deus não tem mais domínio sobre ele. Ele está morto para a lei.
    Ele é uma nova criatura; nasceu de novo e é livre para tornar-se espiritualmente casado com outra pessoa. Esta pessoa é Cristo. O cristão torna-se o eterno noivo de Cristo. Deus uniu o cristão a Cristo em um eterno e indissolúvel casamento, que nenhum homem pode quebrar.
    Como o cristão ganhou vida eterna no momento da salvação, e por Cristo ter ressurgido dos mortos para viver eternamente, Cristo nunca pode terminar a abençoada união matrimonial entre Si e o cristão. Quão prodigiosa! Quão maravilhosa! Quão magnificente é a graça de Deus!
    A lei de Deus não é mais o marido do cristão, e não tem mais domínio sobre ele. A lei nunca mais pode ameaçar o cristão com a morte, mas isso não significa que ele não se relaciona com a lei de Deus. A lei de Deus agora tornou-se sua amiga. A lei mostra a ele como gozar do mais alto grau de relacionamento possível com seu novo marido, o próprio Jesus Cristo. O cristão não está mais acorrentado à lei de Deus como uma esposa está acorrentada ao marido.
    Deus usa o casamento entre a lei de Deus e os homens para nos ajudar a entender o casamento humano, bem como usa o relacionamento entre Cristo e Seu noivo para nos ajudar a entender.
    Cristãos são encontrados em todas as nações, e o povo de Israel não tem maior status espiritual que outros (desde a cruz); portanto, a lei não mais se aplica a casamentos entre indivíduos de diferentes nacionalidades.


CAPÍTULO 3